Blog

Dicas de como Comprar e vender no Instagram.

Data: 06/04/2018 - Categorias: ECOMMERCENOVIDADES WEB

Quem vende (ou busca) a decoração ou a roupa perfeita no Instagram sabe que, entre a inspiração e a compra, há um processo demorado. A negociação envolve desde diversas mensagens entre o empreendedor e cliente até o vai e volta entre diversos sites para concluir o pagamento.


Não, a rede social ainda não processa compras totalmente dentro de sua aplicação. Mas deu um passo importante para que seus usuários comprem mais – e que seus pequenos e médios empreendimentos façam mais vendas.


A partir desta semana, quem tem um perfil empresarial poderá ter uma aba gratuita com seu catálogo, em uma espécie de “loja virtual“, e abandonará de vez os posts misturados na timeline (veja o passo a passo abaixo).


Hoje, o Instagram possui 15 milhões de perfis comerciais e 80% dos usuários seguem algum negócio espontaneamente. A maioria dessas empresas é composta por pequenos e médios empreendimentos, muitos apostando em nichos empresariais. O Instagram não divulga dados específicos do Brasil.


“Além do óbvio benefício de colocar seus contatos no ambiente online e ser mais encontrado por seu público, o diferencial de estar no Instagram é receber um feedback direto sobre o comportamento dos consumidores e sobre seus produtos”, afirma Melissa Amorim, diretora de comunicação do Instagram para o Brasil. “Com os insights que a conta empresarial traz, você inova no momento mais ideal possível.”


Cases de sucesso

O recurso Compras no Instagram é testado nos Estados Unidos desde o segundo semestre do ano passado e reúne alguns cases de sucesso na hora de facilitar a conversão de clientes e aumentar as vendas.


A marca de roupas da moda Lulus diz que o recurso foi responsáveis 100 mil visitas ao seu e-commerce e 1.200 pedidos. Enquanto isso, a marca de acessórios e roupas para bebês spearmintLOVE destacou um tráfego 25% maior e um acréscimo de 8% em sua receita.


Hoje, o Compras no Instagram está disponível também na Alemanha, na Austrália, no Brasil, no Canadá, na Espanha, na França, na Itália e no Reino Unido.


Em terras nacionais, algumas lojas testaram o recurso nas últimas duas semanas são a pequena empresa de decoração Nama e o e-commerce híbrido de roupas Amaro – mas ainda não divulgaram os resultados financeiros dessa adoção.


Fonte: https://exame.abril.com.br/


Tags: